Mostrando postagens com marcador filme. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador filme. Mostrar todas as postagens

A Sociedade da Neve na Netflix











A crueldade humana : Caso real de Han Gong Ju

 




No YouTube tem o filme completo legendado apenas em inglês.



Disponível na Prime Vídeo, mas apenas em algumas localidades. 



Duas estreias na Netflix

 


Aguardada superprodução estrelada por Jennifer Lopez acaba de chegar à Netflix
Estreou na Netflix nesta sexta-feira (24) o aguardado filme de ficção científica estrelado e produzido por Jennifer Lopez. Conheça a trama e veja o trailer!
Estreou na Netflix nesta sexta-feira (24) o aguardado filme de ficção científica Atlas, estrelado e produzido por Jennifer Lopez. O longa, dirigido por Brad Peyton, explora os benefícios e perigos da inteligência artificial. Jennifer interpreta Atlas Shepard, uma brilhante e antissocial analista de dados que desconfia da tecnologia.

No filme, Atlas tem um passado misterioso com o robô Harlan (Simu Liu), responsável por crimes contra a humanidade após se rebelar. Vinte e oito anos depois, Atlas se junta a uma missão para impedir Harlan de causar mais destruição. Durante a missão, quase todos os soldados são mortos pelo robô, e Atlas precisa se aliar à inteligência artificial Smith (Gregory James Cohan) para sobreviver, apesar de suas desconfianças.

Descrito por fãs como uma mistura de Titanfall e Gravidade (2013), Atlas é a aposta da Netflix para 2024, destacando cenas de ação e um profundo debate sobre a tecnologia. O filme não trata a IA apenas como vilã, mas como uma ferramenta poderosa com suas próprias complexidades.

O elenco também conta com Sterling K. Brown e Mark Strong.

Assista ao trailer abaixo e descubra mais sobre essa emocionante narrativa que promete ampliar a discussão sobre inteligência artificial.






Ator da Netflix ganhou 30 kg para viver personagem em dorama emocionante

O ator ganhou impressionantes 30 kg para o papel. Confira abaixo o antes e depois e mais detalhes da transformação.

Pouca gente sabe, mas o ator Choi Kwang Rok, que interpreta o enigmático Noh Hyung-Tae no dorama ‘Uma Família Inusitada’, passou por uma transformação radical para viver seu personagem. O ator ganhou impressionantes 30 kg para o papel, surpreendendo tanto os fãs quanto os críticos com sua dedicação.

A nova série, que já conquistou um grande público na Netflix com seu enredo sobrenatural e repleto de poderes especiais, é protagonizada por Chun Woo-hee, mas é o personagem de Choi Kwang Rok que tem atraído atenção especial. Roy, como é conhecido, interpreta o misterioso tio de Do Da-Hae (Chun Woo-hee), apresentando uma aparência madura e uma barba perfeitamente desenhada que esconde um grande segredo.

Foto: Divulgação/JTBC

Uma transformação radical

Segundo o Purepeople, Choi Kwang Rok não é novato nos doramas. Em 2022, ele fez sua estreia em ‘Clube das Mães’, onde interpretou o charmoso francês/coreano Louis Benuel. Na época, ele pesava 30 kg a menos e chegou a aprender francês para dar vida ao personagem, encantando muitos espectadores.


A mudança drástica para o papel em ‘Uma Família Inusitada’ deixou os fãs surpresos e muitos mal conseguiram reconhecê-lo. Comentários nas redes sociais refletem essa surpresa: “Uau… Ele está irreconhecível” e “ESTES SÃO O MESMO HOMEM? Eu assisti Clube das Mães e estou assistindo Uma Família Inusitada agora e não tinha ideia”.


O desafio de ganhar peso

Em uma entrevista recente, Choi Kwang Rok falou sobre o desafio que enfrentou para ganhar peso para seu papel atual. Ele destacou que o processo foi complexo, mas gratificante:

“Ganhar peso não foi nada fácil depois de ser escalado para ‘Uma Família Inusitada’. Mas eu tentei o meu melhor, sou grato pela oportunidade de interpretar um personagem como No Hyung-Tae também. Pessoalmente, me diverti muito filmando a série. Então, espero que os espectadores também se apaixonem pelo personagem e por mim atuando por trás dele”.

O dorama: Uma Família Inusitada

A família de Bok Gwi Joo (Jang Ki-yong) até poderia passar por uma típica família coreana, se não fossem as habilidades sobrenaturais que cada um recebeu ao nascer. Entre viagens no tempo, previsões sobre o futuro e até mesmo a capacidade de voar, a família Bok aos poucos é atingida pela complexidade da modernidade. Bok Gwi Joo sofre de depressão e isso o leva a perder seu poder sobrenatural. Sua família também perde seus próprios poderes devido a problemas com a insônia, bulimia e vício em smartphones. O que parecia sem resolução acaba mudando completamente com a visita de Do Da-hae (Chun Woo-Hee), uma misteriosa mulher que chega sem avisar, mas capaz de mudar as coisas.  Sinopse de AdoroCinema




O mundo depois de nós - Isto pode acontecer em 2024 e será o caos

 





Filme que acaba de chegar na Netflix já é considerado um dos mais emocionantes da plataforma


Este filme comovente que pode ser visto por toda a família resgata o valor da educação e joga luz sobre a importância fundamental dos professores na formação das crianças. É quase impossível não se emocionar assistindo esse filme na Netflix !

“O Último Vagão” é uma emocionante produção mexicana disponível na Netflix que tem conquistado a atenção dos espectadores ao redor do mundo. Com uma trama envolvente, atuações marcantes e uma abordagem única, este filme tem se destacado como um dos mais vistos na plataforma de streaming.

O filme acompanha a jornada do pequeno Ikal, que junto de seu pai viaja com frequência para realizar a manutenção dos trilhos do trem. Durante uma dessas viagens, o garoto acaba ingressando em uma escola itinerante no trem, onde conhece novos amigos. Nesse ambiente desafiador, a dedicada professora Georgina luta com determinação para educar os alunos, apesar dos recursos limitados. No entanto, a escola enfrenta a ameaça iminente de ser fechada por um funcionário da Secretaria de Educação.

Uma das principais qualidades de “O Último Vagão”

Uma das principais qualidades de “O Último Vagão” é a forma como a história é habilmente construída, envolvendo o espectador desde o início. O longa apresenta uma mistura cativante de drama, humor e emoção em uma história que resgata o valor da educação e joga luz sobre a importância fundamental dos professores na formação das crianças.

As atuações do elenco são outro destaque do filme. O talentoso Kaarlo Isaac, que interpreta o protagonista Ikal, rouba o coração do espectador logo nos primeiros momentos do longa. Sua presença em cena é sempre luminosa. Além dele, se destaca Adriana Barraza, na pele da dedicada e aguerrida professora Georgina. A atriz, que já foi indicada ao Oscar por sua performance no filme Babel, empresta à personagem as necessárias doses de força e delicadeza.

Não é surpresa que “O Último Vagão” tenha se tornado um dos filmes mais vistos da Netflix. A produção, que é baseado no romance homônimo de Ángeles Doñate, tem todos os elementos que fazem um filme se tornar inesquecível. É quase impossível não se emocionar ao acompanhar um história contada com tamanha doçura.












5 filmes sobre felicidade


O cinema, como espelho social, também participa de nossa luta para ser feliz. Em sua história, encontramos narrativas fantásticas em que o desejo e a coragem triunfam sobre as dificuldades.

Os filmes alegres e divertidos são aqueles que nos deixam com bons sentimentos. Tornam-se um recurso ideal para obter uma boa dose de autoestima. Na história do cinema, são muitas as produções em que são narrados conteúdos que nos fazem ver o lado positivo das coisas. Por isso, selecionamos os filmes sobre felicidade que mais fizeram sucesso na telona.

Antes de começar a repassá-los, vamos explicar qual é o significado do conceito de felicidade. É definido como um estado emocional ligado ao bem-estar que sentimos quando alcançamos um objetivo, alcançamos um propósito desejado ou nos sentimos realizados. Como esse conceito pode ser apresentado em um filme? Vejamos os exemplos mais proeminentes.

1. Simplesmente Amor

Uma das comédias românticas mais carismáticas do cinema. Seu diretor, Richard Curtis, faz uma produção em que coexistem diferentes histórias de amor com pessoas de idades muito diferentes. Algumas histórias terminam muito bem, enquanto também há espaço para o desamor, e é por isso que se trata de obter, a partir daí, um contraste de histórias para que tenhamos empatia com todos os personagens.


Ao final de cada história de amor, mostra-se o triunfo da bondade, do esforço e da dedicação em busca de um único objetivo: a felicidade. Esse entusiasmo que se sente quando se está apaixonado é algo que se reflete em um filme que, por sua vez, é nutrido por uma trilha sonora que ainda dá mais força emocional às cenas mais intensas.

“A felicidade só é real quando você a compartilha.”
 - Jon Krakaur -

2. À procura da felicidade

O diretor Gabriele Muccino nos mostra a longa luta de Chris Gardner pela estabilidade financeira.

Em alguns momentos da vida podemos nos encontrar em uma situação de autêntica vulnerabilidade. O filme nos lembra que é preciso buscar a fortuna e que muitas vezes é preciso criar as oportunidades. Esse filme nos lembra que somos os construtores de nosso bem-estar, venha como os acontecimentos vierem.

3. Intocáveis

Deve-se notar que a felicidade pode ser percebida de diferentes maneiras. Às vezes, você pode buscá-la apesar das más circunstâncias em que se encontra e senti-la mesmo que não nos encontremos como realmente gostaríamos, principalmente se falamos de questões de saúde. É assim que acontece no filme Intocáveis, dos diretores Olivier Nakache e Éric Toledano. Aqui estão alguns destaques:Philippe é um homem tetraplégico rico e bonito. Em sua vida ordenada e correta, aparecerá Driss, um jovem senegalês de um bairro humilde com ideias muito diferentes. As diferenças entre os dois são muitas, mas o que eles podem contribuir um para o outro ainda é muito maior; dessa forma, quase sem querer, acabarão sendo amigos e se reconciliando com a vida.

Driss começará a passar muitas horas com Philippe. Dessa forma, os dois terão a oportunidade de conhecer a perspectiva do outro.


Como a felicidade se apresenta nesse caso? Apesar das limitações de Philippe, eles tentam garantir que o momento em que vivem não seja frustrado pelo passado ou pelo futuro. A melhor coisa é que o filme leva o espectador a fazer o mesmo.

4. Agora ou nunca

O diretor Rob Reinier propõe um dos filmes mais estimulantes sobre a felicidade. Duas pessoas são apresentadas no argumento, Carter e Edward. Eles não se conhecem, mas ambos foram diagnosticados com câncer terminal. Ambos trabalharam duro, relegando seus sonhos a um futuro que agora se lhes apresenta incerto.

Ao longo dessa história, há momentos de diversão, emoção e melancolia, mas acima de tudo eles tentam garantir que seu amor vital esteja sempre acima do medo que possam sentir após o diagnóstico.

“A ação nem sempre traz felicidade, mas não há felicidade
 sem ação.”
- Benjamin Disraeli -

5. Billy Elliot

Um dos grandes clássicos do cinema. Stephen Daldry nos apresenta uma história de esperança, uma narrativa inspiradora para todos aqueles que não ousam dar o passo inicial. Billy Elliot tem um verdadeiro amor pela dança. Ele quer se dedicar a isso, mas não lhe irão facilitar.

Socialmente, dançar parece ser uma atividade apenas para mulheres; no entanto, Billy quer criar um espaço em um mundo que o enche de emoção e alegria. Ele vai lutar por isso, apesar das pedras que podem ser encontradas pelo caminho. Um dos filmes mais emblemáticos sobre a felicidade pela rebeldia que motiva contra certos moldes sociais com pouco ou nenhum significado.





 À procura da felicidade





Agora ou nunca / Antes de Partir



Billy Elliot








Lindas músicas coreanas : No One Else [ Ninguém Mais ] - Lee Seung-chul / The Wind Is Blowing [ O vento está soprando ] - Park Sun Ye / Love Has Left Again [ O amor partiu novamente ] - Lee Ki Chan

 


 
 No One Else [ Ninguém Mais ] e filme More Than Blue - 2009


 

The Wind Is Blowing [ O vento está soprando ] e série My Golden Life

No final de um longo dia
Estou apenas caminhando 
No meu coração frio
Você silenciosamente veio 
Quando estou lutando
Quando eu continuo sofrendo 
Espero que venha sem uma palavra
E me abrace por trás 
O vento está soprando, vindo ao meu lado
Lentamente, envolvendo calorosamente 
Meu coração que costumava ser congelado
Eu posso ver você, o amor está chegando
Espero que possamos lembrar nossos momentos para sempre com você Todos os dias ao seu lado 
Sempre em seus braços eu quero estar com você 
Então agora eu vou te dizer 
O vento está soprando, vindo ao meu lado
Lentamente, envolvendo calorosamente 
Meu coração que costumava ser congelado
Você veio aos meus dias
Isso costumava ser comum e passa sem sentido
Você é alguém com quem eu nunca sonhei 
Mas você está vindo para mim, oh oh 
Eu te amo 
Eu te amo eu somente amo você 
Eu lembro como você me abraçou calorosamente
Quando eu costumava ficar apenas cheio de lágrimas 
Eu posso ver você, o amor está chegando
Espero que possamos lembrar nossos momentos para sempre com você


   

  Love Has Left Again  [ O amor partiu novamente ] 

A minha figura chorando 
E era sempre só eu que chorava
Parecia muito chato, muito patético 
Então tentei deixar você ir com um sorriso 
A expressão legal que pratiquei
As palavras de despedida que preparei 
Com as palavras de despedida de você 
Eu as esqueci e só chorei de novo
Estou olhando para você assim 
E você vai embora assim 
Lágrimas escorrem dos meus olhos de novo
O amor partiu de novo 
Olhando para você indo embora 
Escondendo minhas lágrimas 
Tornou-se muito familiar, aconteceu com muita frequência 
Então eu até aprendi a sorrir
Assim como eu deixei você ir embora, embora eu te amasse 
Vou me lembrar de você depois da nossa despedida 
Mas a única coisa que tenho medo é 
Para que eu nunca mais consiga abrir meu coração
Estou olhando para você assim 
E você vai embora assim
Lágrimas escorrem dos meus olhos de novo 
O amor partiu de novo  
Estou olhando para você assim 
E você está indo embora assim
Lágrimas fluem de meus olhos de novo 
O amor partiu novamente 
O amor partiu novamente


O Corvo Branco : a arte que transcende a política




'O Corvo Branco' é um filme biográfico que cobre alguns dos eventos mais importantes da vida de Rudolf Nureyev, bailarino excepcional, mas de personalidade polêmica e difícil. O filme narra intimamente como Nureyev tomou uma decisão que mudaria sua vida para sempre.

Ralph Fiennes já é um ator estabelecido com muitos títulos renomados carregando seu nome. Sua família é bastante conhecida no meio cinematográfico, uma vez que ele é irmão da diretora Martha Fiennes e do ator Joseph Fiennes. Em 2011, Ralph Fiennes decidiu dar o salto para a direção com Coriolano e, depois, nos surpreendeu com O Corvo Branco, filme britânico que estreou em 2019.

O filme conta a história do dançarino russo Rudolf Nureyev. De forma íntima, visa reconstruir a figura de Nureyev a partir de suas memórias, desde a infância difícil até quando tomou a decisão que mudaria sua vida para sempre: pedir asilo político na França.

Fiennes garantiu que seu interesse pela figura de Nureyev surgiu como resultado da leitura do livro Rudolf Nureyev: The Life, de Julie Kavanagh. Na época, ele não pretendia fazer o filme biográfico, mas com o tempo a ideia se concretizou.

O trabalho de Kavanagh reflete muito bem as duas facetas do dançarino: de um lado, seu inegável talento para a dança; do outro, sua personalidade difícil.

Fiennes estudou profundamente o mundo do balé e escolheu um dançarino sem experiência em atuação para interpretar Nureyev: o bailarino ucraniano Oleg Ivenko. Sua intenção não era que um ator tivesse aulas de dança e, nas cenas mais complexas, tivesse um dublê, e sim captar a essência de Nureyev e que o intérprete pudesse simular seus movimentos.

Sem dúvida, essa decisão torna o filme um deleite estético pelo qual os os amantes da dança vão se apaixonar, mas que também cativa o público menos familiarizado com o balé. Apesar da conotação política inegável do filme, O Corvo Branco é, na verdade, uma história sobre arte e sobre a dança em si mesma, mas também sobre como nosso passado e nossas decisões moldam nosso caráter e nosso destino.

Um passado difícil

A estrutura do filme é não-linear, ou seja, vamos descobrindo alguns episódios do passado de Nureyev na forma de flashbacks. Sabemos que ele nasceu em um trem e cresceu em uma área rural perto de Ufa, na antiga União Soviética. Sua infância não foi fácil e ele foi marcado pela pobreza e pela miséria. Apesar de demonstrar grande aptidão para a dança, sua formação como bailarino demorou bastante devido às carências de sua infância. Em 1955, ele foi enviado a Leningrado, onde estudou em uma escola de balé. Lá, teve contato com Aleksandr Pushkin (interpretado por Fiennes), que se tornou seu professor.

O passado de Nureyev cobraria seu preço e, aos poucos, vamos descobrindo uma pessoa arrogante e egocêntrica que está em constante estado de alerta, como se acreditasse que o mundo inteiro estivesse conspirando às suas costas.

Fiennes explicou em várias entrevistas que sua intenção era mostrar ao espectador por que Nureyev tomava certas decisões e como seu passado ajudou a moldar uma pessoa que, em poucas palavras, era bastante desagradável. Sua dança era divina, mas sua personalidade era intratável. Isso foi o que Julie Kavanaugh captou em sua obra, e isso também é muito visível em O Corvo Branco.

Nascer no trem, viver na miséria absoluta e não ter tido acesso a uma boa educação foram alguns dos acontecimentos que mais marcaram a personalidade de Rudolf Nureyev. Sem dúvidas, ele era um personagem único: indisciplinado e irreverente, porém com um talento incomparável para a dança.

O título original do filme, O Corvo Branco, refere-se ao apelido pelo qual Nureyev era conhecido e que, na União Soviética, era usado para designar pessoas diferentes, que fugiam do convencional.

Fiennes não queria captar todos os acontecimentos da vida do bailarino, mas sim aproximar-se de uma história mais intimista, focada em um momento chave de sua vida: a viagem a Paris e suas memórias passadas. Desta forma, ele consegue conectar o espectador com o protagonista, ajudando-o a compreender as principais características da sua personalidade complexa. Vemos nele certos complexos: um desejo de liderança e uma vontade de aprender e progredir. Paris seria, portanto, uma revelação para Nureyev.


O Corvo Branco : uma visão intimista

O Corvo Branco é uma história de aprendizagem em todos os sentidos, do artístico ao pessoal. Nureyev tinha uma certa ambiguidade, uma estética andrógina e seus movimentos eram bastante femininos. Sua aparência física era atraente tanto para homens quanto para mulheres e, assim, descobrimos alguns dos relacionamentos românticos que o bailarino mantinha.

Numa época em que os bailarinos mal se destacavam em relação às mulheres, Nureyev conseguiu se sobressair e dar à sua dança uma certa feminilidade. As cenas de dança são realmente lindas, os corpos parecem falar e até nos ensaios o realismo toma conta da tela: a câmera segue as gotas de suor, a respiração, o som dos corpos ao dançar… E o resultado é incrível, nos faz participar de tudo que a própria dança implica.

O filósofo Ortega y Gasset, no prólogo de sua obra A desumanização da arte, dizia que, no mundo, encontramos três elementos: as coisas, os outros e o eu. Considerando essas três coisas, o eu é a única coisa contra a qual não podemos adotar uma atitude utilitária, pois não podemos transformá-lo numa coisa ou usá-lo.

Por que não podemos objetificar o eu? Porque o eu é algo que está constantemente sendo verificado e, por exemplo, quando dizemos “eu caminho”, estamos coletando um grande número de processos que estão acontecendo simultaneamente: calor, fadiga, etc. Quando dizemos “Eu caminho”, é como se parássemos o tempo, mas não poderíamos fazer uma imagem de tudo o que isso implica, porque é um processo íntimo.

Para este filósofo, a obra de arte tenta transmitir as coisas em andamento, ou seja, a arte tenta se aproximar dessa percepção íntima. Em O Corvo Branco, de alguma forma, essa premissa é cumprida: não apenas vemos mais um corpo dançando, mas o ouvimos respirar, o vemos suar, ouvimos seus movimentos e a câmera detalha meticulosamente cada ação. Também há uma cena absolutamente reveladora em que Nureyev visita o quadro A Jangada da Medusa, de Théodore Géricault.

Nureyev ansiava por aprender, compreender a arte e traduzi-la em seus movimentos. Na infância, mal teve chance de estudar e interagir com a arte, por isso aproveitava todas as oportunidades para se aprofundar nela. E é exatamente isso que o espectador percebe ao observar Nureyev diante da Jangada da Medusa: a câmera aproxima a pintura, os menores detalhes, as pinceladas e, ao mesmo tempo, nos aproxima de Nureyev, de seu rosto contemplando a obra.

A câmera está tão próxima que podemos traçar cada poro de sua pele e, de alguma forma, sentir como o bailarino estava mergulhado em arte, conectando-se com a pintura. Assim, o filme acaba nos trazendo uma experiência intimista e emocionante. Não se limita a mostrar um homem olhando para uma pintura, mas constrói um retrato do que realmente significa enxergar uma pintura e aprender com ela.


Viagem a Paris

Não podemos deixar de lado o contexto político em que o filme se passa e como ele acaba influenciando de forma decisiva a vida do protagonista. Logo após sua mudança para Leningrado, Nureyev tem a oportunidade de deixar a União Soviética pela primeira vez e viaja para Viena com a companhia de dança. No entanto, por causa da sua conduta, ele é proibido de viajar novamente.

Sua sorte mudou em 1961, quando o dançarino principal do Kirov sofreu um acidente e Nureyev o substituiu. Esta substituição levou-o a Paris, onde a sua dança foi aplaudida e ele aproveitou para interagir com várias personalidades. Mas a União Soviética estava de olho nele e o bailarino percebeu que seria preso no aeroporto.

Com a ajuda de Santa Clara, mulher de origem chilena com quem fez amizade e que conhecia importantes figuras do poder, ele conseguiu pedir exílio. Nesse ponto, o filme dá uma guinada radical, a história se acelera e se afasta da intimidade inicial, aproximando-se de um thriller. O papel de Aleksandr Pushkin, por sua vez, será decisivo nestes últimos minutos do longa.

Assim, O Corvo Branco nos convida a reconstruir a história de Nureyev, contando com várias paletas de cores para delimitar os diferentes períodos da sua vida.

Finalmente, ele nos oferece alguma intriga na virada mais interessante do filme: já conhecemos o protagonista, odiando-o e amando-o em igual medida, compreendemos a sua personalidade complexa e, agora, ele está em apuros e queremos que o seu plano se concretize. Apesar do óbvio conteúdo político, O Corvo Branco é um interessante exercício artístico que nos faz participar de uma vida nada convencional.







Clique no link abaixo para assistir o filme completo :



Rudolf Nureyev







O Corvo Branco : a arte que transcende a política




'O Corvo Branco' é um filme biográfico que cobre alguns dos eventos mais importantes da vida de Rudolf Nureyev, bailarino excepcional, mas de personalidade polêmica e difícil. O filme narra intimamente como Nureyev tomou uma decisão que mudaria sua vida para sempre.

Ralph Fiennes já é um ator estabelecido com muitos títulos renomados carregando seu nome. Sua família é bastante conhecida no meio cinematográfico, uma vez que ele é irmão da diretora Martha Fiennes e do ator Joseph Fiennes. Em 2011, Ralph Fiennes decidiu dar o salto para a direção com Coriolano e, depois, nos surpreendeu com O Corvo Branco, filme britânico que estreou em 2019.

O filme conta a história do dançarino russo Rudolf Nureyev. De forma íntima, visa reconstruir a figura de Nureyev a partir de suas memórias, desde a infância difícil até quando tomou a decisão que mudaria sua vida para sempre: pedir asilo político na França.

Encontrei este vídeo lindo, que junta duas coisas que adoro, o filme Bonequinha de Luxo e a música italiana Sempre Sempre

 





O filme :


Breakfast at Tiffany's ou Bonequinha de Luxo é um filme norte-americano lançado em 1961, do gênero comédia romântica, dirigido por Blake Edwards e escrito por George Axelrod, vagamente baseado no romance homônimo de 1958 de Truman Capote. Estrelado por Audrey Hepburn e George Peppard, com Patricia Neal, Buddy Ebsen, Martin Balsam e Mickey Rooney, o filme foi inicialmente lançado em 5 de outubro de 1961 pela Paramount Pictures.

O filme foi recebido positivamente na época, e ganhou dois Oscar: melhor trilha sonora e melhor canção original por "Moon River", que também foi selecionada como a quarta música mais memorável da história de Hollywood pelo American Film Institute em 2004. O filme também foi indicado para três outros prêmios na cerimônia: melhor atriz por Hepburn, melhor roteiro adaptado e melhor direção de arte.

Em 2012, o filme foi considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos e selecionado para preservação no National Film Registry.

A música :



Sempre ... sempre  

Artista: Peppino Gagliardi

Compositores : Gaetano Amendola / Giuseppe Gagliardi

Disco de vinil Peppino Gagliardi - 1972


Encontrei este vídeo lindo, que junta duas coisas que adoro, o filme Bonequinha de Luxo e a música italiana Sempre Sempre

 





O filme :


Breakfast at Tiffany's ou Bonequinha de Luxo é um filme norte-americano lançado em 1961, do gênero comédia romântica, dirigido por Blake Edwards e escrito por George Axelrod, vagamente baseado no romance homônimo de 1958 de Truman Capote. Estrelado por Audrey Hepburn e George Peppard, com Patricia Neal, Buddy Ebsen, Martin Balsam e Mickey Rooney, o filme foi inicialmente lançado em 5 de outubro de 1961 pela Paramount Pictures.

O filme foi recebido positivamente na época, e ganhou dois Oscar: melhor trilha sonora e melhor canção original por "Moon River", que também foi selecionada como a quarta música mais memorável da história de Hollywood pelo American Film Institute em 2004. O filme também foi indicado para três outros prêmios na cerimônia: melhor atriz por Hepburn, melhor roteiro adaptado e melhor direção de arte.

Em 2012, o filme foi considerado "culturalmente, historicamente ou esteticamente significativo" pela Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos e selecionado para preservação no National Film Registry.

A música :



Sempre ... sempre  

Artista: Peppino Gagliardi

Compositores : Gaetano Amendola / Giuseppe Gagliardi

Disco de vinil Peppino Gagliardi - 1972


3 filmes espetaculares que entraram recentemente na Netflix




Você merece entretenimento de alta qualidade. Foi pensando nisso que selecionamos 3 filmes espetaculares que entram recentemente no catálogo da Netflix.

Cada um deles faz por merecer cada segundo da sua atenção. Confira:

Radioactive

Devota da ciência, Marie (Rosamund Pike) sempre enfrentou dificuldades em conseguir apoio para suas experiências devido ao fato de ser uma mulher. Ao conhecer Pierre Curie (Sam Riley), ela logo se surpreende pelo fato dele conhecer seu trabalho, o que a deixa lisonjeada. Logo os dois estão trabalhando juntos e, posteriormente, iniciam um relacionamento que resultou em duas filhas. Juntos, Marie e Pierre descobrem dois novos elementos químicos, rádio e polônio, que dão início ao uso da radioatividade.



A Última Nota

“A Última Nota” apresenta um dos períodos mais delicados da carreira de Henry Cole (Patrick Stewart), um pianista que dedicou sua vida ao trabalho. No entanto, ele se afastou dos palcos após o falecimento de sua esposa. Agora, seu esperado retorno é ameaçado por uma crise repentina de ansiedade, mas ele possui alguém em quem confiar: a jornalista Helen Morrison (Katie Holmes), fã de música erudita.



Fuja

Obra-prima do suspense. Uma adolescente educada em casa começa a suspeitar que sua mãe esconde segredos sombrios. Até que finalmente chega à conclusão de que a sua única opção e fugir.



A Revista Pazes apoia as medidas sociais de isolamento.
Se puder, fique em casa. Evite aglomerações. Use máscara.
Quando chegar a sua vez, vacine-se.
A vida agradece !




3 filmes espetaculares que entraram recentemente na Netflix




Você merece entretenimento de alta qualidade. Foi pensando nisso que selecionamos 3 filmes espetaculares que entram recentemente no catálogo da Netflix.

Cada um deles faz por merecer cada segundo da sua atenção. Confira:

Radioactive

Devota da ciência, Marie (Rosamund Pike) sempre enfrentou dificuldades em conseguir apoio para suas experiências devido ao fato de ser uma mulher. Ao conhecer Pierre Curie (Sam Riley), ela logo se surpreende pelo fato dele conhecer seu trabalho, o que a deixa lisonjeada. Logo os dois estão trabalhando juntos e, posteriormente, iniciam um relacionamento que resultou em duas filhas. Juntos, Marie e Pierre descobrem dois novos elementos químicos, rádio e polônio, que dão início ao uso da radioatividade.



A Última Nota

“A Última Nota” apresenta um dos períodos mais delicados da carreira de Henry Cole (Patrick Stewart), um pianista que dedicou sua vida ao trabalho. No entanto, ele se afastou dos palcos após o falecimento de sua esposa. Agora, seu esperado retorno é ameaçado por uma crise repentina de ansiedade, mas ele possui alguém em quem confiar: a jornalista Helen Morrison (Katie Holmes), fã de música erudita.



Fuja

Obra-prima do suspense. Uma adolescente educada em casa começa a suspeitar que sua mãe esconde segredos sombrios. Até que finalmente chega à conclusão de que a sua única opção e fugir.



A Revista Pazes apoia as medidas sociais de isolamento.
Se puder, fique em casa. Evite aglomerações. Use máscara.
Quando chegar a sua vez, vacine-se.
A vida agradece !




Cenas de bons filmes e músicas lindas

 









Cenas de bons filmes e músicas lindas

 









O dinheiro segundo 3 filmes


Dinheiro: Veja porque esse recurso vai acabar | Jornal Contábil ...