O silêncio de Deus



Vivemos num mundo trágico. Poderemos não ter mais retorno ou, forçados pela situação, recuperaremos 
a razão sensível e sensata?

Leonardo Boff

Vivemos globalmente num mundo trágico, cheio de incertezas, de ameaças e de perguntas para as quais não temos respostas que nos satisfaçam. Ninguém nos poderá dizer para onde estamos indo: para o prolongamento do atual modo de habitar a Terra, devastando-a em nome de um maior enriquecimento de poucos. Ou mudaremos de rumo?

No primeiro caso, seguramente a Terra não aguentará a voracidade dos consumistas (já agora precisamos de uma Terra e meia para atender o nível atual de consumo dos países ricos) e nos confrontaremos com crises e mais crise, como o coronavírus e o aquecimento global já irrefreável (lançamos na atmosfera por ano 40 bilhões de toneladas de gazes de efeito estufa). Poderemos não ter mais retorno e iremos ao encontro do pior.

Ou, forçados pela situação, recuperaremos a razão sensível e sensata, pois agora está enlouquecida, definimos um novo rumo mais amigável para com a natureza e a Terra, mais justo e participativo de todos os humanos. Trabalharemos a partir do território, desenhado pela natureza, pois ai pode ser sustentável e criar uma verdadeira participação de todos. Então começará um novo tipo de história com um futuro para o sistema-vida e o sistema-Terra.

Teremos tempo, coragem e sabedoria para esta conversão ecológica? O ser humano é flexível, tem mudado muito e se adaptado aos vários climas. Ademais a história não é linear. De repente surge o inesperado e o impensável (um salto para cima em nossa consciência) que inaugurariam um novo rumo para a história.

Enquanto esperamos, sofremos pelos males que estão ocorrendo na Terra: há 17 lugares de guerra. O Papa Francisco falou muitas vezes que estamos já na terceira guerra mundial aos pedaços. Não é impossível que irrompa um conflito nuclear inteiro e leve a perder toda a humanidade.

Neste contexto nos colocamos no lugar de Jó e clamamos a Deus no meio de tantas mortes de inocentes, de genocídios e de guerras altamente letais.

“Deus, onde estavas naqueles momentos aterradores em que a fúria genocida de Benjamin Netanyahu dizimou 13 mil crianças inocentes e mais de 80 mil pessoas e mães na Faixa de Gaza? Por que não intervistes, se podias fazê-lo? Mais de 500 mil casas, hospitais, escolas, universidades, mesquitas e igrejas foram arrasadas. Por que não detiveste aquele abraço assassino? Teu Filho bem-amado, Jesus, saciou cerca de 5 mil pessoas famintas. Por que permites que centenas e centenas morram de sede e de fome?

Onde está a tua piedade? Estas vítimas não são também teus filhos e filhas, especialmente queridos, porque representam teu Filho crucificado?

Recordo com dor as palavras do Papa Bento XVI quando visitou o campo de extermínio de judeus em Auschwitz-Birkenau: “Quantas perguntas surgem neste lugar. Onde estava Deus naqueles dias? Por que Ele silenciou? Como pôde tolerar esse excesso de destruição, este triunfo do mal?”.

Jó tinha razão em reconhecer que ”Deus é grande demais para que possamos conhecê-lo” (Jó 36, 26). Ele pode ser e fazer aquilo que não entendemos, pois somos limitados. Não obstante teimosamente Jó professa sua fé, dizendo a Deus: “Mesmo que me mates, ainda assim creio em ti” (Jó 15,13)?

Inesquecível é o testemunho do judeu antes de ser exterminado no Gueto de Varsóvia em 1943. Deixou escrito num papelzinho posto dentro de uma garrafa: “Creio no Deus de Israel, mesmo que Ele tenha feito tudo para que não creia nEle. Escondeu seu rosto… Se, um dia, alguém encontrar esse papelzinho e o lerá, vai entender, talvez, o sentimento de um judeu que morreu abandonado por Deus, esse Deus em quem continuo a crer firmemente”.

Não pretendemos ser juízes de Deus. Mas podemos como o filho do homem no Jardim das Oliveiras e no alto da cruz. Jesus, quase desesperado, clamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste (Marcos 15, 34)?

Nossos lamentos não são blasfêmias, mas um grito doloroso e insistente a Deus: “Desperta! Não tolere mais o sofrimento, o desespero e o genocídio de inocentes. Acorda, vem libertar aqueles que criastes no amor. Acorda e venha, Senhor, para salvar-los.

No meio desta melancolia, nossa esperança prevalece, porque pela ressurreição de um irmão nosso, Jesus de Nazaré, se antecipou nosso fim bom. É isso que nos confere algum sentido e de não desesperar face à dramática situação da humanidade e da Terra.



Ecoteólogo, filósofo e escritor. Escreveu Ecologia: grito da Terra, grito dos pobres, Vozes 1995/2015; em espanhol por Trotta, Madrid 1996, Dabar, México 1996




Explicação simples da vida



Para entender melhor, coloque seu nome onde está escrito "Seu nome completo".

Você é presidente de uma empresa muito importante chamada "Seu nome completo". Assim como qualquer empresa onde as pessoas trabalham, "Seu nome completo" precisa de cuidados constantes dele(a) mesmo(a). O papel de um presidente é determinar qual o objetivo maior da empresa, escolher seus caminhos, lidar com desafios e ser o exemplo dos princípios morais mais elevados que devem prevalecer em todas as relações da empresa.

Se o presidente for negligente e não fizer boas escolhas, o caos toma conta e esta empresa fracassará. Terá que lidar com as consequências das suas más escolhas para então recomeçar de maneira diferente.

Este cargo não exige dinheiro, estudo ou experiência prévia, mas apenas da nossa boa vontade, pois todos nascemos com um bom discernimento entre o certo e o errado e desde cedo já estamos escolhendo o que queremos para nós. Assim, através dos erros e acertos, qualquer pessoa tem condições de cuidar bem de si.

Se "Seu nome completo" não se aceita como é, não confia em sua capacidade de escolher e for muito negativo(a), suas escolhas não trarão bons resultados e seus caminhos podem ser cheios de sofrimentos, rejeições, perdas, dificuldades e sacrifícios, com pouquíssimos momentos de conforto e bem-estar.

Outro ponto importante, é que se "Seu nome completo" coloca intermediários entre ele(a) e sua realização, também passará muito tempo nas mesmas lições. Assim, não deve buscar preenchimento fora de si ou desanimar acreditando que lhe falta algo para ser feliz, para se sentir pleno(a) ou ser grato(a) pela vida que tem.

Com isso, é importante para este grande empreendimento chamado vida aprendermos a nos amar e nos aceitar como somos, a confiar em nossas capacidades, a sermos positivos e a colocar o respeito e a ética como princípios fundamentais para o bom convívio de todos.

Conduzir "Seu nome completo" pela vida é uma grande aventura e, por todo o percurso da nossa carreira, colheremos os frutos por todo crescimento que adquirirmos nos tornando seres humanos melhores. O bom deste empreendimento é que estamos sempre tendo oportunidades de aprender com os nossos erros e melhorar cada vez mais.

Como todo presidente que tem a Verdade, o Amor, a Paz e a Liberdade como princípios, ainda que "Seu nome completo" enfrente muitos desafios, sua postura resiliente de buscar se conhecer profundamente, de aprender com seus os erros e de escolher cada vez melhor é o que garante que ele(a) seja sempre bem sucedido(a)!

Em Paz,
Rodrigo Durante.







Três músicas lindas que nos levam a Deus . . .


 






Fé em Deus - Diogo Nogueira

A luta está difícil, mas não posso desistirDepois da tempestade, flores voltam a surgirMas quando a tempestade demora a passarA vida até parece fora do lugarNão perca a fé em Deus, fé em DeusQue tudo irá se acertar
Pois o sol de um novo dia vai brilharE essa luz vai refletir na nossa estradaClareando de uma vez a caminhadaQue nos levará direto ao apogeuTenha fé, nunca perca a fé em Deus
Pra quem acha que a vida não tem esperançaFé em DeusPra quem estende a mão e ajuda a criançaFé em Deus
Pra quem acha que o mundo acabouPra quem não encontrou um amorTenha fé, vá na féNunca perca a fé em Deus
Pra quem sempre sofreu e hoje em dia é felizFé em DeusPra quem não alcançou tudo que sempre quisFé em Deus
Pra quem ama, respeita e crêE pra aquele que paga pra verTenha fé, vá na féNunca perca a fé em Deus
Aquilo que não mata só nos faz fortalecerVivendo aprendi que é só fazer por merecerQue passo a passo um dia a gente chega láPois não existe mal que não possa acabarNão perca a fé em Deus, fé em DeusQue tudo irá se acertar
Pois o sol de um novo dia vai brilharE essa luz vai refletir na nossa estradaClareando de uma vez a caminhadaQue nos levará direto ao apogeuTenha fé, nunca perca a fé em Deus
Pra quem acha que a vida não tem esperançaFé em DeusPra quem estende a mão e ajuda a criançaFé em Deus
Pra quem acha que o mundo acabouPra quem não encontrou um amorTenha fé, vá na féNunca perca a fé em Deus
Pra quem sempre sofreu e hoje em dia é felizFé em DeusPra quem não alcançou tudo que sempre quisFé em Deus
Pra quem ama, respeita e crêE pra aquele que paga pra verTenha fé, vá na féNunca perca a fé em DeusEm Deus




Sou minimalista


 


Postado em Sou Minimalista


Máquina de ressonância “mais poderosa do mundo” mostra imagem de cérebro humano


Imagem do Iseult Magneton 11.7 T MRI mostra cérebro humano. — Foto: Divulgação / Comissão de Energia Atômica da França (CEA)


Publicado por Yurick Luz

O mais poderoso scanner de ressonância magnética do mundo acaba de fornecer as primeiras imagens de cérebros humanos, alcançando um novo patamar de precisão que, para os especialistas, promete revelar segredos e desvendar mistérios sobre as mentes e as doenças que as afetam.

Desenvolvido por pesquisadores da Comissão de Energia Atômica da França (CEA), o avançado equipamento foi inicialmente utilizado para escanear uma abóbora em 2021. Agora, autoridades de saúde deram luz verde para a realização de escaneamentos em cérebros humanos.

Nos últimos meses, aproximadamente 20 voluntários saudáveis foram os primeiros a passar pelo scanner de ressonância magnética (MRI), localizado na região do Plateau de Saclay, ao sul de Paris, uma área conhecida por abrigar diversas empresas de tecnologia e instituições de ensino superior.

Com um campo magnético impressionante de 11,7 teslas, uma unidade de medida em homenagem ao inventor Nikola Tesla, este equipamento tem a capacidade de capturar imagens com uma precisão 10 vezes maior do que os tradicionais aparelhos de ressonância magnética encontrados em hospitais, os quais geralmente operam com uma potência de até três teslas.

Confira:


Vista axial do cérebro humano, com o mesmo tempo de aquisição, mas com diferentes intensidades de campo magnético. Na última, a imagem do Iseult Magneton 11.7 T MRI. — Foto: Divulgação / Comissão de Energia Atômica da França (CEA)



Imagem do Iseult Magneton 11.7 T MRI mostra cérebro humano. — Foto: Divulgação / Comissão de Energia Atômica da França (CEA)




É melhor dormir juntos ou separados?



Quando você começa uma relação de convivência e é uma pessoa romântica, a ideia de se separar do outro e não estar juntos parece muito difícil pra você. Já existe uma separação obrigatória durante o dia por motivos de trabalho. Pensar que também vão dormir separados é uma ideia que pode parecer insuportável.

Há uma crença popular de que um casal que dorme separado tem problemas conjugais. E, em certos casos, é verdade. Quando você teve uma discussão com o seu parceiro, o que você menos quer é dormir com a outra pessoa. Nem mesmo se tocar, embora alguns casais pensem – erroneamente – que esta é uma boa maneira de resolver os problemas.

Na verdade, o hábito de dormir juntos na mesma cama foi popularizado durante a era industrial. A falta de espaço nas cidades levou à construção de casas menores que permitiriam economizar espaço. Na Roma antiga ou na Grécia antiga, era costume ter espaços separados para dormir e um quarto separado para manter os encontros sexuais.

Dormir separados ajuda a ter um relacionamento amoroso melhor

Os estudos de profissionais do sono como o Dr. Stivill ou o Dr. Stanley, da Academia Americana de Medicina do Sono, afirmam que o melhor para a sua saúde não é apenas dormir em camas separadas, mas também em quartos separados.


De acordo com os especialistas, metade dos casais que dormem juntos têm problemas de sono. Se o seu parceiro ronca, se mexe muito ou se levanta no meio da noite, você acorda e isso interrompe seu descanso. Isso vai lhe cobrar a conta mais tarde, tanto física quanto psicologicamente: tristeza, mudanças de humor, falta de concentração e até mesmo ganho de peso.

Dormir em outro quarto ajuda não só o seu conforto e o seu descanso, mas também a manter o seu espaço pessoal. Inclusive incentiva o encontro sexual com seu parceiro. A separação noturna favorece a existência de um espaço erótico no qual sente-se saudade do outro e, portanto, aumenta a necessidade de estar na companhia da outra pessoa.

Se você é mulher, é muito mais afetada

Um estudo realizado pela Fundação Nacional do Sono dos Estados Unidos em 2005 revelou que as mulheres têm mais dificuldades para dormir ou manter o sono devido a circunstâncias associadas a alterações hormonais. Os ciclos menstruais, as preocupações diárias, o estresse ou a menopausa faz você acordar às vezes do nada, se mover muito na cama e descansar mal.

Em uma entrevista feita com o Dr. Estivill em 2014, ele disse que entre 40 e 50% dos espanhóis tinham problemas de sono devido ao estresse, às crises emocionais e aos maus hábitos adquiridos.


Quartos separados, convivência mais harmoniosa

Ter não só camas separadas, mas também quartos separados, é uma boa decisão para manter o relacionamento e ajudá-lo a crescer. A decisão madura e consensual de dormir separados é uma forma de respeitar o outro, sua privacidade, seu espaço e seu crescimento pessoal.

Se você é uma pessoa muito romântica e tem até medo de pensar em passar a noite sozinha, uma solução intermediária pode ser dormir no mesmo quarto com camas separadas ou também na mesma cama mas com lençóis individuais. Essa é uma boa maneira de dormir confortavelmente juntos, mas o seu parceiro ainda pode se mexer muito e invadir seu espaço na cama.

Muitas das brigas, separações e até mesmo divórcios tiveram indiretamente sua origem em um mau descanso de um dos membros do casal. Não dormir bem afeta sua saúde, de maneira que você tem uma maior tendência ao pessimismo, ansiedade, cansaço, envelhecimento precoce e falta de concentração.

Dormir separados pode parecer pouco romântico, mas é uma decisão consciente e madura de saúde e bem-estar, tanto pessoal quanto para o casal. Pelo menos é isso que ciência diz. O que você acha ?