Feliz Ano Novo em 3 textos !






Meu mais singelo desejo de Feliz Ano Novo

Que este novo ano seja, sobretudo, um ano tranquilo. Como as águas do rio sereno que desaguam no infinito dos mares, assim seja a caminhada em busca do sucesso. Sem pressa de chegar e com coragem para encarar os muitos desafios que virão.

De todas as coisas, desejo que haja paz de espírito, paz no coração, em cada decisão. Que a paz reine em cada canto que pisarem os nossos pés. Abaixem as armas. Levantem a bandeira do amor; que estende a mão, que acolhe, que une vidas, que não se contamina com o ódio e com a maldade.

Que não nos falte amor. Amor para aceitar, respeitar e discordar, pois é um direito. Amor para aconselhar, amor para abraçar, amor para corrigir. Amor para amar quem nos odeia e para aceitar as críticas. E por falar em amar: que o verbo se torne prática diária. Menos declarações públicas que aparentam ser o que não é, menos telefonemas desligados na cara, menos orgulho, menos brigas, menos partidas.

Que o sujeito de tantos predicados no Facebook, seja também elogiado na vida real, entre amigos, no trabalho, no lar. Mais demonstrações com atitude, mais encontros, mais risadas e sorrisos bobos, mais chegadas e reconciliações.

Que as amizades sejam verdadeiras e que saibamos reconhecê-las. Que não nos deixemos ser influenciados pelos maus costumes, mas que o nosso pensamento maduro, o nosso falar com sabedoria, o nosso andar em retidão e o nosso agir com integridade influencie todos ao nosso redor.

Que não nos falte fé, esperança, saúde, força, disposição, respeito, solidariedade, compaixão, e desejo de sermos pessoas melhores para nós mesmos e para os outros. Que tenhamos maturidade para deixar "as coisas velhas" para trás, esquecer o que é passado, aprender com os erros e não mais cometê-los. Que saibamos tomar as decisões certas nas diversas áreas e momentos da nossa vida. Na escola, na faculdade, no trabalho, no relacionamento, no voto, nos investimentos.

É de fato um adeus ano velho e feliz ano novo ?

 





Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo

cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,

Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido

(mal vivido talvez ou sem sentido)

para você ganhar um ano

não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,

mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;

novo até no coração das coisas menos percebidas

(a começar pelo seu interior)

novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,

mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha,

você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,

não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens?
passa telegramas?)


Não precisa

fazer lista de boas intenções

para arquivá-las na gaveta.

Não precisa chorar arrependido

pelas besteiras consumadas

nem parvamente acreditar

que por decreto de esperança

a partir de janeiro as coisas mudem

e seja tudo claridade, recompensa,

justiça entre os homens e as nações,

liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,

direitos respeitados, começando

pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um Ano Novo

que mereça este nome,

você, meu caro, tem de merecê-lo,

tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,

mas tente, experimente, consciente.

É dentro de você que o Ano Novo

cochila e espera desde sempre.





Não olhe para cima . . .

 



Documentário O Jovem Érico

 

 

Clique no link abaixo para ver :





Nome completo : Erico Lopes Verissimo

Nascimento 17 de dezembro de 1905 em Cruz Alta, RS

Morte 28 de novembro de 1975 (69 anos) Porto Alegre, RS

Escritor e tradutor


   Clique no link abaixo para ler :



7 frases da Mafalda que abrem os nossos olhos

 


A Mafalda é uma criação de Joaquín Salvador Lavado (também conhecido como Quino), representando uma jovem preocupada com a humanidade. As tirinhas da Mafalda, primorosamente desenhadas pelo seu criador, oferecem mais ensinamentos do que podemos imaginar; às vezes camuflados pelo humor, outras pela inocência da garotinha. Hoje mostraremos algumas frases muito especiais da Mafalda.

No entanto, não podemos começar sem antes recordar que a Mafalda se tornou tão importante e popular que existem duas séries de desenhos animados dedicados a ela, e até um livro que inclui todas as tirinhas do Quino. Você é um dos sortudos que tem essa maravilha na sua biblioteca?

Uma vida moderna
“ Será que esta vida moderna tem mais de moderno do que de vida? ”
Esta é uma das primeiras frases da Mafalda para abrir os nosso olhos, que faz referência a algo presente na sociedade. À medida em que avançamos como sociedade é fato que nos modernizamos, mas nós temos consciência do que estamos perdendo nesse processo? Vale a pena o que perdemos em relação ao que ganhamos?

Devido às tecnologias que facilitam a nossa vida e à preocupação com a moda e com o corpo, acabamos por experimentar uma vida na qual os objetos de consumo são atualizados rápido demais, o que motiva muitas pessoas a focar seus esforços em adquiri-los. De certa forma, podemos dizer que o mundo moderno está repleto de necessidades artificiais, o que nos mesmos um pouco artificiais também.


É verdade que nos modernizamos, mas, e a vida? O fato de ter uma vitrine tão cheia de ofertas também fez com que muitos de nós percamos de vista o essencial. Deixamos de valorizar o básico para aspirar ao que nos permite nos destacar ou estar na moda. Esta é a vida moderna.

Tristeza no Natal ? Os dois aspectos dessa celebração




Sentir tristeza no Natal é cada vez mais comum, ainda mais nos tempos de crise que temos que viver. Para você, que está lendo estas linhas, gostaríamos de perguntar se você sente tristeza no Natal? Você vive essas celebração com muita alegria ou você acha que perdeu o espírito natalino?

Algumas pessoas celebram o Natal com entusiasmo, aguardando ansiosamente a chegada dessas datas especiais. No entanto, também existem pessoas que o “apagariam” do calendário e que esperam que ele passem rapidamente.

Quando nasce o amor ?



Adriana Helena

O ano está acabando amigos queridos e venho através deste singelo post deixar minha mensagem de final de ano para vocês com todo o carinho do mundo! Agora descobriremos onde nasce o amor !

Então o amor nasce:

"Quando estamos carentes e alguém se aproxima com mãos estendidas?

ou quando nos abrimos para a vida e despertamos paixões ?




Será que existe uma lógica no amor?

Somos nós quem decidimos a hora de amar,

ou o amor é realmente um laço ...

um passo para uma armadilha?




Se podemos viver o amor, porque nos ausentamos ...

porque nos decepcionamos tanto e queremos fugir dele ?

Por que apostamos tanto em alguém, e chegamos ao ponto de transferir nossa felicidade para outras mãos ?


O que usar em cada ocasião nas festas de fim de ano

 




Fim de ano na pandemia a importância das relações pessoais



Chegando o final de ano algumas tradições se intensificam, como por exemplo, a união com as pessoas, os encontros, festas e a proximidade com a família. Porém, mais um ano se conclui dentro de uma pandemia, com impactos em diversos setores da vida e, com certeza, afetando o estado emocional de muitos. Os eventos de confraternização do final do ano, podem ser mais pesados para alguns neste período, pois ainda se mantém as restrições. Muitas pessoas sentem falta do “antigo normal” e ficam saudosistas e até mesmo melancólicas ao pensar no que já se viveu, e como a vida era antes da pandemia. Mas podemos sempre fazer novas e melhores escolhas para transformar este momento (com uma aceitação sincera do presente) em algo leve e bom no contato com o outro: seja no presencial ou no on line.

A intenção de estar em grupo, de cultivar amizades, de intensificar os vínculos, da ligação com a família faz parte do dia a dia de muitos. Nosso bem estar se fortalece, também da união, no apoio e da troca de experiência ao estar com os outros, e isso nos proporciona segurança emocional. Criar um espaço de troca, de compartilhamento de experiências e aprendizados é enriquecedor para a saúde emocional. Quem guarda tudo, fala pouco, não divide sua vida, de algum modo, também não soma. Compartilhar emoções e sensações nos une e fortalece.

Dentro da roda da vida, que é composta por diversos setores da vida, as relações pessoas se sobressaem quando se percebe que fazem parte de mais um setor: de relacionamento íntimo, da família, do trabalho e do lazer. Todos envolvem as relações e o impacto disto no dia a dia. Muitas das emoções (os pensamentos e sentimentos que temos) acontecem por gatilhos e estímulos nas relações com as pessoas que convivemos. As relações são importantes durante o ano todo, claro, mas quando pensamos qual época do ano este tema da união é reforçada, com certeza, concluímos que o final de ano é uma época especial para este tema.

Quais são seus planos para o final do ano em relação ao contato com pessoas que você conhece? Você já se organizou para isso? Participará de festas? Vai organizar eventos de união e confraternização? Cuidar da sua saúde física e emocional é fundamental. Além disso, cuidar também da proteção das pessoas que você conhece pode fazer parte das suas escolhas. Se escolher pelo contato on line, que possa ser satisfatório à você e à quem você ama. Se escolher pelo presencial, é fundamental pensar nos protocolos de segurança para não se colocar em risco e nem colocar ninguém em perigo. Todo contato presencial durante a pandemia (dependendo do modo) pode envolver riscos, mas também, sem dúvida, envolvem benefícios, união e troca. Por isso, é necessário antes de mais nada, conversar e discutir com calma, previamente, toda situação, para que se possa fazer uma análise em conjunto. Ser capaz de pensar nos prós e contras, analisar com atenção as boas escolhas do contato com a família e amigos é fundamental para vivenciar melhor qualquer momento. As possibilidades devem ser pensadas em conjunto, bem como as responsabilidades e consequências pela escolha tomadas também.

Chegamos a mais um final de ano, ainda dentro da pandemia e fazer uma retrospectiva do que se viveu é bem importante. Pensar sobre a própria vida, sobre os aprendizados é útil para o crescimento pessoal. E aqui, convido que você pegue seu caderno terapêutico (um caderno para que você possa fazer anotações para um bom trabalho emocional) e anote alguns questionamentos para reflexão:

1) O que eu vivi que foi significativo para mim este ano?

2) Como lidei com isso?

3) Quais foram as minhas emoções mais recorrentes durante o ano?

4) Como gerenciei isso?

5) Como me vinculei com as pessoas que gosto/amo este ano?

6) Como cultivei as relações importantes para mim?

Não tem certo ou errado para as possíveis respostas destes questionamento. Não há um gabarito ou pontuação para isso. A intenção é que através destas perguntas você possa encontrar respostas que possam ser úteis no auto conhecimento e na melhora das relações.

Desejo que estas reflexões possam ser úteis para conclusão de mais um ano e, assim, você possa se abrir para o próximo ano que logo chega!

Sucesso naquilo que busca e até breve!






Levaram o Reitor : Documentário

 




Que delícia entender que a perda foi sua vitória




Tudo traz lição, tudo tem um lado bom. Nunca duvide dos livramentos que a vida traz para a sua jornada.

Marcel Camargo

Como é difícil perder. A gente se sente muito mal quando é rejeitado, quando é mal entendido, quando vem o que não deu certo. Sofremos com as amizades que acabam, com os rompimentos amorosos, com o emprego que perdemos. Muito do que queremos não acontece, muitos sonhos não se realizam. Viver tem muito disso.

Crescemos rodeados de finais felizes, nos contos de fada, nas novelas, filmes, nas propagandas da televisão. E, assim, acabamos imaginando que a vida da gente será como um enredo onde a felicidade será uma constante. Só que não. Na verdade, o caminho de todo mundo é cheio de percalços, de imprevistos, de tombos épicos. Mas nos esquecemos de nos preparar para isso.

Por que Lula - Editorial do Brasil 247



Brasil 247 e a TV 247 declaram, desde já, apoio a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Acreditamos que ele reúne as melhores condições para reconciliar o País, trazer de volta o crescimento econômico, combater a fome e tornar o Brasil uma Nação novamente respeitada no mundo

Há três anos, no mês de dezembro de um verão que se prenunciava tenebroso, eram consistentes e disseminados os temores sobre quão resilientes seriam as instituições democráticas brasileiras aos ataques que vinham sendo feitos à higidez de nossa estrutura republicana.

Havia pertinência para tais apreensões. Afinal, em 2016 o Brasil consumou o impeachment sem crime de responsabilidade da ex-presidente Dilma Rousseff. O golpe jurídico/parlamentar/classista era um atalho que parcela da sociedade brasileira, derrotada em quatro eleições presidenciais, irresponsavelmente tomava para voltar ao poder. Fingiam não saber: a Democracia não admite atalhos.

Quando alguns dos aventureiros embarcados na nau do golpe de 2016 se descobriram à deriva, em outro dezembro, o de 2018, sugeriram estar mareados com os solavancos que a vitória de Jair Bolsonaro no pleito assimétrico daquele ano passava a provocar no País. Na verdade, começavam a se assustar com os olhares assombrados que o mundo lançava para nós. Já ali, o Brasil 247 e seus canais eram uma trincheira consolidada em defesa do Estado Democrático de Direito, dos direitos e garantias individuais e da Constituição.

Moro : Um peão no tabuleiro de xadrez da Guerra Híbrida





Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay

O Brasil é um país desesperadamente complexo. Aquela piada antiga e preconceituosa, sobre Deus ter feito um país sem terremotos, maremotos e tufões, mas, em compensação, ter colocado um povo que iria dar o que falar, parece ser, em parte, tristemente verdadeira. Esse povo é a elite brasileira. Em alguns momentos, a gente até anseia por uma catástrofe natural para ocupar o espaço do fracasso de certa parte dessa aristocracia.

Em um período de profunda crise, com o país mergulhado num desastre causado pela administração caótica do Presidente da República, esse grupo, que optou pelo tsunami eleitoral ao eleger um fascista, está agora apoiando o criador de quem nos levou ao caos. Um ex-juiz que instrumentalizou o Judiciário, que foi “julgado” pelo Supremo Tribunal Federal como alguém que corrompeu o sistema de justiça e que mercadejou a toga ao aceitar ser ministro do governo eleito por suas peripécias apresenta-se agora como salvador da pátria e recebe o apoio de boa parte da elite, principalmente da mídia.

E é preocupante ver que o vazio de ideias tem uma enorme aceitação popular. O Moro e seus asseclas, por ele comandados na triste Operação Lava Jato, não tiveram nenhum pejo em subverter todo o sistema de justiça para atingir seus objetivos políticos.

Descaradamente, usaram o Poder Judiciário e parte do Ministério Público com o objetivo de assumir o poder. E, num primeiro momento, conseguiram, pois foram os grandes vencedores nas últimas eleições, sendo que o juiz ativista virou Ministro da Justiça do Bolsonaro. E ele usou a estrutura do ministério para fustigar os seus adversários políticos. Os dele e os do seu chefe de então. Só romperam na divisão do poder, briga de quadrilha.

Nosso tempo é precioso e devemos gastá-lo só com quem merecer





Eu costumava bater de frente, quando entendiam errado o que eu dizia. Hoje, não perco mais tempo tentando provar nada a ninguém, de jeito nenhum. O meu tempo é precioso e resolvi aproveitá-lo fazendo o que eu gosto, junto com quem me faz bem.

Marcel Camargo

Uma das coisas mais desagradáveis que ocorrem é sermos mal entendidos, quando o outro deturpa nossas palavras ou nossas atitudes, descontextualizando-as e utilizando-as em proveito próprio, enquanto nos coloca como o vilão da história. A gente acaba até ficando sem saber se nós é que não soubemos nos colocar ou se o outro é que não sabe interpretar um texto.

Infelizmente, quanto mais tentarmos provar o nosso ponto de vista, quanto mais nos explicarmos, pior ficaremos, porque quem não entende da primeira vez raramente compreenderá dali em diante. Quem se faz de bobo e de vítima jamais será capaz de assumir seus erros, de se responsabilizar por seus atos, de se colocar no lugar de alguém. Tentar fazê-los enxergar além de seu umbigo é inútil.

Ignorar gente chata é um caminho sem volta




Marcel Camargo

Tempos difíceis, tempos de muita luta e superação. Essa pandemia nos forçou a enxergar, a abrir os olhos, a nos conscientizarmos sobre muita coisa, sobre muita gente. Ficou escancarado, à nossa frente, quem é quem, sem filtro. Percebemos o que e quem importa realmente em nossas vidas. Vimos as prioridades de cada um, a capacidade de se colocar no lugar do outro ou não.

O medo nos acompanhou, fazendo parte constante de nossos dias. A morte estampava as mídias. Todos tomavam partido, gritavam posicionamentos, atacavam quem pensava diferente. Pessoas se afastaram, famílias se desencontraram, a configuração dos relacionamentos teve que se adequar aos novos tempos. Fomos obrigados a buscar uma forma de não enlouquecer, de não sucumbir às incertezas, às escuridões, a tudo o que estava ficando explícito, quando antes ninguém notava.

Desinfetar a tristeza




“Dois monges que voltavam ao Templo, encontraram em um rio uma mulher chorando pois ela não conseguia cruzá-lo, porque o rio havia crescido e a corrente era forte.

O mais velho dos monges, sem parar, a pegou nos braços e carregou-a para a outra margem do rio. No terceiro dia de viagem, o jovem monge, sem poder mais se conter, exclamou: “Como você pôde fazer isso, pegar uma mulher nos seus braços? Isso quebra nossas regras.

O monge respondeu com um sorriso: “É possível que eu tenha errado, mas só cruzei uma mulher que precisava de ajuda e a deixei do outro lado do rio”.

“Mas o que acontece com você, já que três dias se passaram desde o episódio e você ainda a carrega esse pensamentos nas costas?” Eu já a deixei do outro lado do rio.   (Fábula)

 

Quando um evento importante afeta nossos valores mais essenciais, tendemos a reagir com espanto.

Às vezes, uma infinidade de ações cotidianas (em casa, trabalho, amizade, família) quebram nossos afetos, nossas emoções e até nossa dignidade de forma profunda, e paralisados ou letárgicos, desmoronados ou insensíveis, encapsulamos nossos corações para não suportar mais dor. Quando consideramos que somos os destinatários de um desastre, tudo se desmorona, nossos medos aumentam, as dúvidas se acumulam e a esperança diminui.

Mais desgraça se anuncia com o ex-juiz parcial como candidato









O filósofo e teólogo Leonardo Boff escreve sobre a candidatura de Moro e indica: "Ele sempre se moveu, não pelo senso do direito, mas pelo lawfare (distorção do direito para condenar o acusado), pelo impulso de rancor e por convicção subjetiva. Diz-se que estudou em Harvard. Fez apenas quatro semanas lá, no fundo para encobrir o treinamento recebido nos órgãos de segurança dos USA no uso da lawfare."

Por Leonardo Boff

Como se não bastasse o horror da pandemia do Covid-19 que vitimou mais de 600 mil pessoas e a crise generalizada em todos os níveis de nosso país, temos que assistir agora ao lançamento da candidatura à presidência nada menos do que do ex-juiz Sérgio Moro, declarado parcial pelo STF.

Ele representa a estirpe direitista do Capitão que trouxe a maior desgraça e vergonha ao nosso país, por sua criminosa incompetência no trato da pandemia, por lhe faltar qualquer indício de um projeto nacional, por estabelecer a mentira como política de Estado, por absoluta incapacidade de governar e por claros sinais de desvio comportamental. Ele mente tão perfeitamente que parece verdade, a mentira da qual é ciente.

A vitória do Capitão é fruto de uma imensa e bem tramada fraude, suscitando o anti-petismo, colocando a corrupção endêmica no país, como se fosse coisa exclusiva do PT, quando sabemos ser a do mercado (sonegação fiscal das empresas), dezenas de vezes maior que a política, defendendo alguns valores de nossa cultura tradicionalista, ligada a um tipo de família moralista e de uma compreensão distorcida da questão de gênero, alimentando preconceitos contra os indígenas, os afrodescendentes, os quilombolas, os pobres, os homoafetivos, os LGBTI e divulgando milhões de fake news, caluniando com perversa difamação do candidato Fernando Haddad. Informações seguras constataram que cerca de 80% das pessoas que receberam tais falsas notícias acreditaram nelas.

Por trás do triunfo desta extrema-direita, atuaram forças do Império, particularmente, da CIA e da Secretaria de Estado dos USA como o revelaram vários analistas da área internacional. Ai também atuaram as classes dos endinheirados, notórios corruptos por sonegar anualmente bilhões em impostos, parte do Ministério Público, as operações da Lava-Jato, eivadas de intenção política, ao arrepio do direito e da necessária isenção, parte do STF e com expressiva força o oligopólio midiático e a imprensa empresarial conservadora que sempre apoiou os golpes e se sente mal com a democracia.

A consequência é o atual o descalabro sanitário, político, jurídico e institucional. É falacioso dizer que as instituições funcionam. Funcionam seletivamente para alguns. A maioria delas foi e está contaminada por motivações políticas conservadoras e pela vontade de afastar Lula e o PT da cena política por representarem os reclamos das grandes maiorias exploradas e empobrecidas,sempre postas à margem. A justiça foi vergonhosamente parcial especialmente o foi pelo justiceiro ex-juiz federal de primeira instância, agora candidato, que tudo fez para pôr Lula na prisão,mesmo sem materialidade criminosa para tanto. Ele sempre se moveu, não pelo senso do direito, mas pelo lawfare (distorção do direito para condenar o acusado), pelo impulso de rancor e por convicção subjetiva. Diz-se que estudou em Harvard. Fez apenas quatro semanas lá, no fundo para encobrir o treinamento recebido nos órgãos de segurança dos USA no uso da lawfare.

Conseguiu impedir que Lula fosse candidato à presidência já que contava com a maioria das intenções de voto e até lhe sequestraram o direito de votar. Agora Moro se apresenta como candidato à presidência, arrebatando do Capitão a bandeira do combate à corrupção quando ele primou por atos corruptos e por conchavos com as grandes empreiteiras para fazerem delações forçadas que incriminassem a Lula e a membros do PT.

A vitória fraudulenta do Capitão (principalmente por causa dos milhões de fake news) legitimou uma cultura da violência. Ela já existia no país em níveis insuportáveis (os mais de 30 a 40 mil assassinatos anuais). Mas agora ela se sente legitimada pelo discurso de ódio que o candidato e agora presidente continua a alimentar. Tal realidade sinistra, trouxe como consequência, um forte desamparo e um sofrido vazio de esperança.

Este cenário adverso ao direito e a tudo o que é justo e reto, afetou nossas mentes e corações de forma profunda. Vivemos num regime militarizado e de exceção, num tempo de pós-democracia (R.R. Casara). Agora importa resgatar o caráter político-transformador da esperança e da resiliência, as únicas que nos poderão sustentar no quadro de uma crise sem precedentes em nossa história.

Temos que dar a volta por cima, não considerar a atual situação como uma tragédia sem remédio, mas como uma crise fundamental que nos obriga a resistir, a aprender desta escabrosa situação e a sair mais maduros, experimentados e seguros, também da pandemia, para definir um novo caminho mais justo, democrático e popular.

Urge ativar o princípio esperança que é aquele impulso interior que nos leva a nos mover sempre e a projetar sonhos e projetos viáveis. São eles que nos permitem tirar sábias lições das dificuldades e dos eventuais fracassos e nos tornar mais fortes na resistência e na luta. Lembremos do conselho de Dom Quixote : ”não devemos aceitar a derrota sem antes de dar todas as batalhas”. Daremos e venceremos.

Importa evitar, dentro da democracia, a continuidade do atual e do pior projeto para o país, urdido de ódio, perseguição, negacionismo da ciência e da gravidade letal do Covid-19. É operado atualmente pelo Capitão e seus apaniguados e, supomos, prolongado pelo ex-juiz, candidato à presidência, cujas características, parece, se confundir com aquelas do Inominável. Desta vez não nos é permitido errar.





Estes valores, apesar de importantes, não devem ser nossas prioridades sob pena de nos infelicitar





Gostemos ou não, vivemos uma época em que os valores humanos passaram a um segundo plano. Boa parte do mundo e da vida atual gira em torno do poder e do dinheiro. Trata-se de uma lógica diante da qual existem muitas resistências, mas que, de todos os modos, impõe alguns dos principais valores que nos fazem infelizes.

Muitas vezes nós assumimos essa lógica do mundo atual como se ela fosse a única possível. Isso não é verdade. Apesar de muitos valores atuais estarem associados à produção e ao capitalismo, também podemos ser críticos diante deles e não permitir que determinem completamente as nossas vidas.

Se os assumirmos sem crítica e como algo absoluto, acabam limitando a nossa vida e nos conduzindo à angústia e à insatisfação. Por isso, é importante identificá-los e não permitir que eles invadam tudo. Estes são os principais valores que nos fazem infelizes, muitas vezes sem nos darmos conta disso.

1. A eficiência, um dos valores que nos fazem infelizes

Uma das maiores exigências no mundo atual é a de sermos eficientes. Constantemente, nós recebemos mensagens relacionadas com a importância das conquistas, a necessidade de concentração em nossos objetivos e o sucesso. Não há nada de errado nisso. O que não é bom é dar um peso excessivo a esse valor, e colocar tudo para girar em torno disso.




A eficiência é um dos valores que nos dirigem, porque trata-se de uma característica que facilita o bom desempenho da economia. As empresas querem gente eficiente porque isso é mais rentável. A eficiência garante um melhor desempenho profissional e um lugar privilegiado dentro do sistema.

No entanto, isso não quer dizer que o mais importante nos seres humanos seja a eficiência. Não somos máquinas e, portanto, dependendo das circunstâncias, seremos mais ou menos eficientes. Isso não nos torna menos valiosos.

2. A produtividade

A produtividade tem a ver com os resultados que somos capazes de gerar. Produtivo é o adjetivo que damos a alguém capaz de fazer muito em pouco tempo, e cujas atividades permitem obter mais dinheiro ou benefícios. Ou seja, produtivo é alguém “útil”; no entanto, esta “utilidade” é observada, quase sempre, a partir do âmbito financeiro.

Falamos de “pessoas produtivas” ou de “idades produtivas”, mas não falamos que o ser humano é muito mais do que aquilo que ele produz. Assim como no caso anterior, não somos máquinas de fazer dinheiro ou ganhar dinheiro para os outros. Concentrar-se nisso faz com que a única dimensão que acabe prevalecendo seja a financeira e a profissional. Por essa via, nunca se alcança a felicidade.

3. A quantidade

A sociedade atual é particularmente obcecada pela quantidade. Tudo se mede e a palavra “mais” se transformou em uma religião para muitos. Aquilo que é ilimitado não se mede em termos de sonhos ou ideais, mas em função de quanto é possível acumular ou produzir.

Um dia é considerado bom quando “fazemos muito” nele. Um ano foi bom quando conseguimos “muitas” coisas. Uma vida foi válida quanto temos “muitos” objetivos alcançados.




Quão relevante é a quantidade? Geralmente, o seu valor está presente na economia e na produção. É ali que isso se converte em um dos valores que nos fazem infelizes. A partir de uma perspectiva mais humana, a quantidade costuma ficar limitada com a qualidade.

A pessoa faz muito, alcança muito, acumula muito, às custas de sacrificar o sentido profundo do que faz, alcança ou acumula.

4. A velocidade

Em todos os âmbitos, a velocidade se converteu em um objetivo. Conseguir que tudo aconteça rapidamente é assumido como um sinal de que estamos naquilo que é “correto” ou “eficiente”. A ideia é poder fazer mais coisas em menos tempo. Por isso, cinco minutos de pausa são desesperadores para algumas pessoas. O fato de demorarem mais tempo para completar uma tarefa é frustrante para elas.

A velocidade é outro dos valores que nos dirigem, mas não nos levam ao bem-estar. Assim como acontece com a quantidade, o rápido é inimigo daquilo que é bom. É claro que isso não se aplica a tudo, mas a alguns aspectos importantes.

Aqueles que estão obcecados pela velocidade perdem a capacidade de apreciar cada momento único. Também têm dificuldade para compreender o sentido dos processos nos quais o tempo oferece uma vantagem.




Apesar de todos esses valores que nos regem serem importantes para nos adaptarmos ao mundo atual, é importante analisar o seu significado e não os aceitar passivamente, simplesmente porque são aquilo que a cultura impõe.